1 Cadernos de Pesquisa 2000 Vol: 0(110):. DOI: 10.1590/S0100-15742000000200003

A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo

Based in multiple sources of secondary data, the article analyzes women's participation in the labor market at two opposite poles of activity. From the first pole, which includes poor quality jobs in terms of income, formalization of relations and protection of work, we selected the position of domestic employees. In the 90s, this segment maintained some of the precarious conditions that have always characterized it, such as a long work day and low levels of income and formalization. There are some promising signs of change with regard to the last two aspects. At the second pole, composed of "good" jobs, characterized by higher levels of formalization, of income and protections, we selected some university careers: engineering, architecture, medicine and law. The date reveal that women who enter these profession are younger than their colleagues. Otherwise, with the exception of income, their profile of job inclusion is quite similar to men's. According to the gender pattern found in the labor market, women's earnings are always lower than men's.

Mentions
Altmetric
References
  1. ALMEIDA, M. S. K. de. Entre nós mulheres, elas as patroas e elas as empregadas. In: ALMEIDA, M. S. K. et al. Colcha de Retalhos: estudos sobre a família no Brasil. São Paulo: Brasiliense p , 185-93 (1982) .
  2. BALLARIO, C. (coord.) O Homem e o mercado de trabalho. São Paulo: CREA/Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo , (1998) .
  3. ______. (coord.) A Mulher e o mercado de trabalho. São Paulo: CREA/Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo , (1997) .
  4. BONELLI, M. G., DONATONI, S. Os Estudos sobre profissões nas Ciências Sociais Brasileiras. BIB. Rio de Janeiro: ANPOCS, n. 41, p. , 1º sem , 109-42 (1996) .
  5. BRASIL. Ministério do Trabalho. CBO: Classificação Brasileira de Ocupações. Brasília , (1994) .
  6. BRASIL. Ministério do Trabalho. Rais. Brasília , (1990) .
  7. ______. ______. ______. BrasíliaBrasília, 1996. [ Links ] , (1993) .
  8. BRITES, J. Cinderela domesticada:um estudo sobre saberes femininos que circulam entre empregadas domésticas e suas empregadoras, jun.(Relatório Final apresentado ao VII Concurso de Dotações para Pesquisa sobre Mulheres e Relações de Gênero - II Programa Relações de Gênero na Sociedade Brasileira.) , (1997) .
  9. BRUSCHINI, C. Fazendo as perguntas certas: como tornar visível a contribuição econômica das mulheres para a sociedade? In: ABRAMO, L., ABREU, A. R. P. (orgs.). Gênero e trabalho na sociologia latino-americana. São Paulo; Rio de Janeiro: ALAST p , 277-94 (1998) .
  10. ______. Gênero e trabalho feminino no Brasil:novas conquistas ou persistência da discriminação;a 1995. São Paulo, 1998a. (Texto apresentado no Seminário Trabalho e Gênero: mudanças, permanências e desafios, organizado pela ABEP/Associação Brasileira de Estudos Populacionais e NEPO/Núcleo de Estudos de População. UNICAMP.) , (1985) .
  11. ______. Mulher, casa e família: cotidiano nas camadas médias paulistanas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Vértice/Revista dos Tribunais , (1990) .
  12. ______. Trabalho das mulheres no Brasil: continuidades e mudanças no período 1985- São Paulo: Fundação Carlos Chagas. 1998b. (textos FCC, 17)O Uso de abordagens quantitativas em pesquisas sobre relações de gênero. In: BRUSCHINI, C., COSTA, A. O. (orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992. p. . [ Links ] , 289-309 (1995) .
  13. CENTRO FEMINISTA DE ESTUDOS E ASSESSORIA. Guia dos direitos da mulher. Brasília: CFEMEA , (1994) .
  14. DURAND, J. C. Arte, privilégio e distinção: artes plásticas, arquitetura e classe dirigente no Brasil- 1985. São Paulo: Editora Perspectiva; EDUSP, 1989. (Coleção Estudos) , (1855) .
  15. ELIAS, R. Mulher e advocacia: elementos de ideologia e trabalho. Rio de Janeiro Dissert. (mestr.) IUPERJ , (1989) .
  16. EMPREGADO doméstico: acesso ao regime de FGTS. IOB. Legislação Trabalhista e Previdenciária, v. 24, n.8, p.1, fev , (2000) .
  17. ESTEVES, F. M. M. Modernidade em questão: a inserção das mulheres na Medicina, uma profissão tradicionalmente exercida por homens. Rio de Janeiro Dissert. (mestr.) IUPERJ , (1993) .
  18. FIBGE. Censo demográfico. Rio de Janeiro , (1970) .
  19. ______. ______.Rio de Janeiro , (1991) .
  20. ______. ______.Rio de Janeiro , (1995) .
  21. ______. ______.Rio de Janeiro , (1997) .
  22. ______. Censo demográfico, domicílios e famílias.Rio de Janeiro, 1991a , .
  23. ______. Censo demográfico mão-de-obra.Rio de Janeiro , (1980) .
  24. ______. ______.Rio de Janeiro, 1991b , .
  25. ______. PNAD.Rio de Janeiro, 1991c , .
  26. ______. ______.Rio de Janeiro, 1995a , .
  27. ______. ______.Rio de Janeiro, 1997a , .
  28. FIOCRUZ et al. Perfil dos médicos no Brasil. Rio de Janeiro v. 1 (Brasil e Grandes regiões) , (1996) .
  29. GOGNA, M. Empleadas domésticas en Buenos Aires. In: CHANEY, E. M., CASTRO, M. G. (orgs.). Muchacha, cachifa, criada, empleada, empregadinha, sirvienta y. más nada: trabajadoras del hogar en América Latina y el Caribe. Venezuela: Nueva Sociedad p , 82-97 (1993) .
  30. GRAHAM, S. L. Sirvientas y amos en Rio de Janeiro en la década de 1870: percepciones de la casa y de la calle. In: CHANEY, E. M., CASTRO, M. G. (orgs.). Muchacha, cachifa, criada, empleada, empregadinha, sirvienta y. más nada: trabajadoras del hogar en América Latina y el Caribe. Venezuela: Editora Nueva Sociedad p , 67-78 (1993) .
  31. JUNQUEIRA, E. A Mulher juíza e a juíza mulher. In: BRUSCHINI, C., HOLLANDA, H. B. (orgs.). Horizontes Plurais:novos estudos de gênero no Brasil. São Paulo: Editora 34; Fundação Carlos Chagas p , 135-62 (1998) .
  32. ______. A Profissionalização da mulher na advocacia. 1998a. (Projeto de pesquisa apresentado no Seminário do VIII Concurso de Dotações para Pesquisa sobre Mulheres e Relações de Gênero, organizado pela Fundação Carlos Chagas, dentro do III Programa Relações de Gênero na Sociedade Brasileira, São Paulo.) , .
  33. KAWAMURA, L. Engenheiro, trabalho e ideologia. In: BONELLI, M. G., DONATONI, S. Os Estudos sobre profissões nas ciências sociais brasileiras. BIB. Rio de Janeiro: ANPOCS, n. 41, p. , 1ºsem , 109-42 (1996) .
  34. LE MONDE. Les inegalités hommes: femmes s'accentuent de nouveau. Paris, 25 fev , (1998) .
  35. LIBERATO, V. C. A Dinâmica do serviço doméstico remunerado nos anos noventa no Brasil. Belo Horizonte: CEDEPLAR/UFMG mimeo , (1999) .
  36. MACHADO, M. H. (coord.). Os Médicos no Brasil, o retrato de uma realidade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ , (1997) .
  37. MATOS, M. I. S. Porta Adentro: criados de servir em São Paulo dea 1930. In: BRUSCHINI, C., SORJ, B. (orgs.). Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. São Paulo: Marco Zero; Fundação Carlos Chagas, 1994. p , 193-212 (1890) .
  38. MELO, H. P. De criadas a trabalhadoras. Estudos Feministas. Rio de Janeiro: IFCS/UFRJ, v. 6, n.2 , 323-57 (1998) .
  39. SAFFIOTI, H. I. B. Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis: Vozes , (1978) .
  40. SAMARA, E. M. Mão-de-obra feminina, oportunidades e mercado de trabalho no Brasil do século XIX. In: SAMARA, E. M. (org.). As Idéias e os números do gênero: Argentina, Brasil e Chile no século XIX. São Paulo: Hucitec; Cedhal/USP; Fundação VITAE p , 21-61 (1997) .
  41. SILVA, E. B. Fazendo gênero na cozinha: tecnologias e práticas. Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo. v. 4, n. 7 , 29-53 (1998) .
  42. SILVA, M. T. A Engenheira, um estudo empírico da divisão sexual do trabalho. São Paulo Dissert. (mestr.) EAESP/FGV - Teoria do Comportamento Organizacional , (1992) .
Expand